Parece estar a navegar neste site usando o Internet Explorer 6. Este navegador está desatualizado.
Para uma pesquisa mais segura e fiável recomenda-se efetuar o upgrade do seu navegador para um destes navegadores:

Firefox / Safari / Opera / Chrome / Internet Explorer 8+

Cidade e Viagens

Muitas pessoas entram em lojas de fotografia com a intenção de comprar uma nova câmara. Regra geral, parecem interessar-se sempre pelos seguintes aspetos: ergonomia, aspeto, sensores, megapixéis, dinâmica, som, menu e gama de objetivas. Embora estas funcionalidades sejam seguramente importantes para os fotógrafos, poucas pessoas pensam nas funções técnicas da câmara; por outras palavras, o que tem no interior. Quando passei para o sistema Olympus em 2014, li sobre funções que não me interessavam lá muito no catálogo da Olympus. Na época, achava que não precisava de Live Bulb, Live Time ou Composição ao Vivo, e pareceu-me que eram apenas funções sem importância. No entanto, pergunte-me hoje se eu preciso e uso essas funções, e eu dou-lhe um rotundo Sim!

Sempre que discuto a longa exposição com fotógrafos que não usam Olympus, digo sempre: “Não tenho de calcular o tempo de exposição - basta-me olhar para o ecrã e quando a exposição estiver correta, tenho a minha foto.” Elas acompanham o meu trabalho com “Como é que faz isso?”, ao que eu respondo: “Graças às mágicas funcionalidades de Live Bulb, Live Time e Composição ao Vivo que só se tem na Olympus!” Na verdade, a imagem abaixo foi criada em Frankfurt am Main num dia desses. Esperei que as condições de luminosidades estivessem certas e, com a ajuda da função Composição ao Vivo, a câmara compôs a seguinte imagem. Um disparo – uma foto.

A Olympus é o único fabricante a oferecer este tipo de função para exposição temporal. Há alguns meses, estava a caminhar pela zona das quedas de água de Allerheiligen na Floresta Negra, a tirar fotografias. Defini o meu equipamento e tirei uma foto da queda de água com a função Live Time.


Quando estava a fazer as malas e a preparar-me para partir, apareceu um homem que também era fotógrafo da Olympus. Vi como é que abordou o assunto. No início, ele montou tudo e parecia querer tirar a foto com uma exposição longa, porque tinha encaixado um filtro de densidade neutra na objetiva. Desse momento em diante, tudo ficou ainda mais interessante! Queria ver se ele iria usar a função Live Time e adivinhe só... ele começou a calcular: “Com a abertura X e o filtro de densidade neutra, terei de a expor durante X segundos”. Naquela altura, estava a pensar: “Oh meu Deus: ele tem a Live Time e, no entanto, está a calcular como tirar a foto.” Então, abordei-o e perguntei-lhe se ele sabia como é que a Live Time funcionava. Ele respondeu-me com um sim, mas soou mais a um não - porque ele não estava a par das capacidades técnicas da função. Encarreguei-me de lhe explicar a função naquele preciso momento. O que estou a tentar dizer é que há fotógrafos com sistemas Olympus que não sabem nem usam as funcionalidades das suas câmaras.

À primeira vista, talvez pareçam inicialmente sem importância. Mas, na realidade, funções como estas valem o seu peso em ouro porque simplificam a arte da fotografia para o fotógrafo. A longa exposição é, de facto, uma fotografia experimental; em geral, as duas primeiras fotos não ficarão com a exposição correta. Claro que também temos de nos lembrar que o tripé, o disparo remoto e a app (Ol.Share) são verdadeiros “imprescindíveis”. Eis um resumo geral das funcionalidades.

As funções Live Bulb, Live Time e Composição ao Vivo funcionam de forma ligeiramente diferente. Para começar, a câmara é posicionada numa superfície sólida, como um tripé - desligue a estabilização de imagem, enquadre a sua foto e foque. Se estiver a trabalhar com filtro de densidade neutra, desative a focagem automática. Até agora, a abordagem convencional também se aplica à exposição longa e às funções Live Bulb, Live Time e Composição ao Vivo. Em primeiro lugar, deve medir a exposição no modo A, S ou M. O tempo de exposição tem de estar entre 1/2 e 60 segundos e mantemos este valor em mente. Mudamos agora para o modo que deseja - pressione os botões de menu e insira as horas que anotámos e depois confirme com OK. Agora mude a câmara para o modo Live View. É neste ponto que soltamos o obturador e vemos como a foto se forma - tudo é incrivelmente simples! Não temos de calcular o tempo de exposição e a função Composição ao Vivo soma a respetiva diferença de luz, em vez da luz total disponível, como geralmente acontece. Esta é a diferença quando se compara com Live Bulb e Live Time. Por isso, pegue nas suas câmaras, saia para a rua e experimente - vai adorar estas funções! As possibilidades são infinitas! É fácil criar quadros suavizados, imagens arquitetónicas, rastos de estrelas e muito mais. Além disso, não há limites para a imaginação e o que é mais interessante nesta câmara é as imagens estarem em formato RAW ou JPG!

Gostaria de terminar com esta citação: “A natureza nunca nos dececiona. Somos nós que nos dececionamos a nós próprios.” – Jean-Jacques Rousseau

Autor e Fotógrafo: Hayrettin Bilgin

Galeria de Imagens

Todas as imagens captadas com o seguinte equipamento