Parece estar a navegar neste site usando o Internet Explorer 6. Este navegador está desatualizado.
Para uma pesquisa mais segura e fiável recomenda-se efetuar o upgrade do seu navegador para um destes navegadores:

Firefox / Safari / Opera / Chrome / Internet Explorer 8+

Cidade e Viagens

O sistema Olympus OM-D provou ser um excelente parceiro para mim em expedições e passeios desafiadores nos últimos anos. Um modelo anterior do sistema OM-D já foi comigo para a Bolívia, Peru, norte da Suécia e aos Alpes. Nem mesmo chuva, granizo, temperaturas congelantes de -35 °C e alturas de até 5500 metros causaram dificuldades a este sistema fantástico. Acima de tudo, o tamanho pequeno e o peso leve comparado com uma câmara DSLR, incluindo todo o equipamento, conquistou-me como fotógrafo. O baixo peso total do sistema permitiu-me embalar mais objetivas do que antes, como uma telefoto de zoom, quando parti noutro passeio de montanha.






Resumindo os três atributos mais importantes para passeios exigentes: flexibilidade, fiabilidade e desempenho.

Para testar a nova Olympus OM-D E-M5 Mark III, decidi viajar até à região ao redor de Zugspitze e da Suíça Saxónica, que são duas das paisagens mais bonitas e emocionantes da área alemã. Comecei a minha viagem em Eibsee, um lago nas montanhas perfeitamente situado em frente à montanha Zugspitze, a mais alta da Alemanha.

Não poderia ter pedido melhores condições de teste: Estava a chover a potes e fiquei muito curioso para saber se a E-M5 Mark III poderia superar a resistente às intempéries da E-M1 Mark II. Para ir direto ao ponto: Boa! A chuva não causou problemas. A câmara teve um desempenho muito bom, totalmente intocada pela humidade, mesmo tendo sido exclusivamente carregada ao meu ombro e diretamente exposta à chuva forte.



Quando cheguei ao meu local de fotografia pretendido, coloquei a câmara num tripé para testar o modo HiRes, que já tinha usado facilmente com outros modelos. Quando olhei mais atentamente para o resultado no computador, fiquei realmente impressionado com os detalhes dos ficheiros em bruto. As fotos tiradas sem o HiRes impressionam realmente pelo nível de detalhe e as cores realistas.

No segundo local fotográfico, o Desfiladeiro Partnach, deixei a mochila e levei apenas a objetiva M.Zuiko Digital ED 7-14mm F2.8 PRO comigo. Mesmo com as más condições de iluminação do desfiladeiro, a câmara teve um desempenho muito bom e a objetiva grande-angular foi perfeita para captar toda a profundidade do desfiladeiro numa imagem. O que mais me impressionou neste contexto foi o quão eficaz é o sistema estabilizador de imagem, permitindo-me disparar manualmente com uma velocidade do obturador de 1/2 s. Desta forma, consegui manter a sensibilidade ISO bastante baixa e não tive de usar um tripé. Uma coisa a menos para carregar.

Durante a caminhada, o pouco peso destacou-se mais uma vez. Juntamente com a M.Zuiko Digital ED 7-14mm F2.8 PRO e a M.Zuiko Digital 12-40mm F2.8 PRO, consegui cobrir tudo o que queria sem me sentir sobrecarregado.

No final, posso dizer com segurança que a nova Olympus OM-D E-M5 Mark III passou no meu teste com distinção: provou ser uma ferramenta fiável para a minha fotografia. A chuva e poeira não prejudicaram o seu desempenho e eu não tinha limites à minha criatividade de todo. Posso confiar totalmente neste sistema.

Autor e Fotógrafo: Daniel Ernst

Galeria de Imagens

Todas as imagens captadas com o seguinte equipamento